segunda-feira, 11 de abril de 2011

Mulher Samambaia e Dentinho

Outro dia li em algum portal que a Mulher Samambaia - aquela que era do Pânico e não sei aonde está hoje em dia - está namorando com o atacante corintiano Dentinho. Pois é, quem achava que a unica mulher gostosa que o Dentinho iria pegar na vida seria a Bruna Surfistinha (pra quem não sabe, o atacante aparece numa cena do filme como se fosse um dos clientes da personagem vivida pela atriz Debora Secco) se enganou: o rapaz tá comendo e tá comendo muito bem.

Já ouvi muitos comentários e acho que sempre concluo que aquela velha frase do comentarista Claudio Carsughi que diz "futebol é uma benção" se aplica também fora dos gramados. Dentinho não é o primeiro e nem último jogador FEIO a ficar com alguma mulher bonita, mas pelo fato da mulher planta ser famosa, chamou atenção.

Reza a lenda que ela tatuou o nome do rapaz em algum lugar e que é ciumenta. Ciumenta de que? Disso?

Podem falar o que quiser, aposto que o cidadão da foto acima está pouco se fodendo para o que estão falando. Aliás, algum macho pra carilha se importaria em ser feio, estar passando o frango na Mulher Samambaia, mesmo sabendo que a paixão dela está no bolso? Acho que não, huh? Boa Dentinho, fome tu não passa nunca mais. E dizem que o amor é cego...

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Duas imagem vale mais do que 1000 palavras


Fernanda Paes Leme e o sexo casual...


Em entrevista à revista Playboy, a atriz soltou o verbo:

"Sou a favor mesmo (do sexo casual) porque experimentar é sempre válido, até para a mulher se conhecer e conhecer os outros sentimentos que possam existir. Às vezes você não está apaixonada, mas tem vontade de ir pra cama com essa pessoa. E eu sou a favor de ir em frente e experimentar. Isso não quer dizer que você vai ser uma vagabunda ou uma periguete. Não tenho esse preconceito de que não pode ser na primeira ou na segunda ou na quarta vez. Acho que não precisa ter regras, vai da vontade e do momento”."

Ah... a modernidade. Fernanda Paes Leme é uma fêmea pra carilha, nada mais justo! Tá com vontade de dar a esfiha, caia pra dentro mesmo, chega de falso moralismo, mulheres querem direitos iguais então comecem a dar quando der vontade. Por um mundo melhor!

Ah... Guinness

domingo, 3 de abril de 2011

Bullying aqui ó!

Todo mundo já tá cansado de ver o vídeo do gordinho australiano que deu o pilão no pentelho que tava azucrinando a vida dele, né? Então vamos ver de novo.


Pois é, durante uma semana inteira só falaram dessa caralha. É bullying pra cá, bullying pra lá. Já deu no saco. Outro dia falaram até que tem bullying no trabalho também.

Bullying, pra quem mora numa caverna e não tem TV, é o nome que dão para qualquer tipo de humilhação que alguém sofre por terceiros, seja por ser gordinho, feio, de outra raça ou coisa assim. Essa expressão surgiu nos EUA e de um tempo pra cá tem tomado conta da mente do brasileiro.

Eu sou contra qualquer tipo de discriminação abusiva e coisa e tal. Mas o povo, principalmente a TV, em dado uma atenção exagerada pro assunto. Pois a sociedade anda muito pudorosa, muito caxiazinha.

De boa, eu sou do tempo que todo mundo tirava sarro na escola do seu colega. E tirava sarro pra carilha. Apelidos sobre "defeitos" físicos dos amigos era o que não faltava. Conhecia um garoto que tinha uma cabeça enorme. Adivinha o apelido? Cabeção. E o moleque não se matou por ter esse apelido e pela galera pegar no pé dele todo santo dia.

Eu mesmo, sempre fui gordo e tiravam sarro de mim. Não chorei, não cortei os pulsos e nem virei eo de franja e munhequeira. Estou aí, de boa na lagoa.

Acho que o povo tirou a lição errada do vídeo do gordinho Zangief do pilão. O moleque aturou o bullying de boa. Tomou umas muquetas. Quando encheu os colhões, foi lá e deu o que o magrelo merecia, um pilão que ele deve se lembrar até hoje. E é isso que toda criança que sofre bullying devia fazer, se virar sozinha, aprender que a vida não é uma beleza. E que só vai piorar.

Lógico que sou contra o bullying, mas sou a favor da criançada se virar e aprender a se cuidar sozinha.

Até porque o Didi, d'Os Trapalhões, sempre praticou bullying e ninguém nunca falou nada.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Tá na moda ser puta

É amigo, a velha e mais antiga profissão do mundo está em alta. Ser puta nunca foi tão cult e bacana quanto nesses últimos dias. Uma coisa de louco.


Primeiro começou com a Bruna Surfistinha. A ex-garota de programa (sei!) escreveu um livro com suas aventuras da época de putaria e a porra do livro virou best seller, vendeu mais que guarda chuva em dia de temporal. Fez que fez tanto sucesso que virou filme, com direito a ajuda monumental (e discutível) do BNDES. Com direito a Déborah Secco pra lá de gostosa encenando várias cenas quentes no filme.

O filme já é um sucesso de bilheteria. Duro é convencer a mulher de ir assistir o filme no cinema, ver a Déborah Secco no seu ápice da danadice.


Agora, no BBB, ganhou uma guria, a Maria, que uma galera anda dizendo por aí que faz programa. Ela já negou, disse que não faz programa. Eu não sei, só sei que ela fazia parte da Dreamcam e mostrava muito mais do que apareceu no reality show da Globo (e olha que ela pagou bastante peitinho no BBB).




E o pessoal do Terceiro Tempo. Neto e Milton Neves vivem cutucando um ao outro falando que um estava na Capote Valente, que o outro não sai do 222. Pra bom estudioso, esses dois nomes pitorescos já dizem tudo.

O que importa é que ser puta tá na moda. Não é tão feio e pecaminoso ser puta. O foda é que não sei se isso é bom ou ruim. Imagina se a moda pega e todo mulher começa a cobrar pra transar com você? Aí danou-se.