sábado, 26 de fevereiro de 2011

Trenó, o esporte do futuro

Ah, Alemanha! Terra da boa cerveja, da Oktoberfest, do joelho de porco e dele, o Campeonato de Trenó Pelado. Aí sim.

Esse ano, na cidade de Braunlage (guarde esse nome para quem sabe uma visita nas suas férias), foi realizado pela terceira vez esse campeonato divertido e interessante, em que o vencedor é você, pois você, seu safado, pode ver uns peitinhos bacanas das "alemoas".






Ok, nem tudo é perfeito.


O mais impressionante é que uma galera reclamou que isso era uma pouca vergonha. Onde já se viu reclamar disso. Esporte seguro demais, a mulherada de air bag, mas beleza. Aí os organizadores falaram assim: "Não tem problema, se proibirem o campeonato, a gente faz na Rep. Tcheca, pois lá o pessoal é mais liberal". Tá certo, na Tcheca é mais gostoso.

PS.: quer ver os peitinhos? Clique nas imagens.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Aos olhos do peão


Para um peão de obra sabido não existe mulher feia. Pelo menos 100% feia não existe mesmo. Eles sempre olham para o lado brilhante da vida, são otimistas de nascença. Eles estão errados? Eles são cegos? Não! Eles estão muito certos.

É só você andar na rua. Você vai ver uma ou outra muito gostosa (se mora no Sul a proporção aumenta consideravelmente) e o resto vai ser bem normal. O peão vive no mesmo mundo que você e vê as mesmas mulheres que você vê. Mas ao invés de analisar o conjunto, o bom peão analisa por partes. Vamos analisar como o peão.

- A mina não tem bunda. É mais ou menos de rosto. O cabelo é zuado. Mas ela tem umas peitolas que puta que pariu? Não é feia.
- A guria é caolha. Manda duma perna. Usa aparelhos nos dentes. Mas tem um rabicó, que se ela peida na fábrica de confete é Carnaval o ano todo? Não é feia.
- A moça não tem peito. Não tem bunda nenhuma. Mas tem o cabelo alisado e os olhos verdes? Não é feia.

Mas aí você vem e me fala: "Mas só uns pedaços delas se salvam!". Então raciocina comigo, filhote. Na rodinha do bar ele vai falar o que? Que pegou uma peituda, que chapiscou uma bunduda e que pegou uma galega dos olhos verdes. Ele mentiu? Não. Ele valorizou o que importa.

E se você continua achando que eu estou errado em achar que o peão tá certo, vamos pra uma aula prática. Por exemplo, a Mirella Santos, ex mina do Latino. Ela é feia, tadinha. Tem um queixo que puta que pariu e uma sombracelha de traveco.


Mas ela é gostosa pra burro.


Ela nem é mais tão feia assim.

E a Nicole Bahls?!


Mó gostosa, né? Mas ignora a bunda dela (eu sei, é difícil, mas tenta). Ela não é a cara do Marcelo Adnet?!?


E nem assim, ela deixa de ser gostosa. Por isso, ver o mundo pelos olhos do peão não é um mal negócio.

PS.: Essa teoria não se aplica a Dilma, Leci Brandão e Amy Winehouse.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Ariadna na Playboy

Olha só que beleza, olha só que bonita, olha só que... argh! Quem estou querendo enganar?

Não é preconceito nem nada, nosso amigo Soutodoloko postou há pouco tempo sobre achar bonito ou não e pegar uma transexual. Até mostrou a famosa Roberta Close que era deveras bonita e posou para a revista Playboy. Pois é, leia lá o meu texto "era bonita...". Já escrevi em algum lugar aqui no Macho Pra Carilha que a revista Playboy já foi melhor. E já foi mesmo! Pra eles parece que o que importa é a moça ser famosa ou semi famosa (no caso, as ex-BBBs). Foda-se se é bonita.

Aquela Francine foi o fim da picada! Até a Hortência era mais bonita... mas agora eles chutaram o pau da barraca. Essa Ariadna tem cara de homem, tem um pomo de adão maior do que o pênis de muitos homens! O problema nem é ela ser trans, isso é o de menos, o problema é ela ser feia, mas feia, mais feia do que o meu pau do avesso! Porra... olha essa foto do ensaio, não é sexy nem aqui nem na casa do capeta.

A dúvida é: quem vai querer ver isso? Preconceitos à parte, independente do fato dela ter tido um pênis, quem vai querer ver uma mulher feia como o cão na Playboy? Porra, Playboy, vá pra qualquer baladinha de patricinhas e pegarão uma dúzia de minas gatas e gostosas dispostas a sairem na capa por menos, BEM menos do que a Ariadna cobrou.

Façam uma forcinha e votem na enquete aí do lado direiro do blog: você quer (vai) ver a Playboy da Ariadna?

Saudades da Fernanda Young...

Duas imagens valem mais do que 1000 palavras


terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Glory Hole

Filmes pornôs geralmente têm umas histórias sem pé nem cabeça. A moça acorda cedo, toda atrasada, apenas usando um shortinho e uma blusinha branca e sem sutiã. Vai pegar água para fazer café, a torneira estoura e molha a blusinha dela toda, tadinha. Tudo fica transparente. Desesperada liga para o encanador e em 3 minutos um rapaz com macacão semi aberto e imenso toca a campainha, com uma mala cheia de alicates. Ao deparar com a mocinha com a blusa transparente já pensa "hoje vai ter..." e não demoram 5 minutos para ambos estarem rolando nus pela cozinha.

Até aí, um dia isso pode realmente acontecer, mas se tem algo que é deveras sem senso é o "glory hole", uma modalidade de pornô simples, que consiste em um buraco, um furo na parede, na cabine do banheiro.

A moça entra lá para fazer um xixizinho, senta no vaso e de repente repara que ao lado da privada, na altura da boca dela, na parede tem um buraco. Intrigada ela fica olhando e de repente de lá sai uma rola dura. Ela fica assustada, fica abismada... e o que uma moça faz quando está numa cabine de banheiro e sai uma rola do buraco da parede? Óbvio... CHUPA! E depois senta no cacete e enquanto faz isso, repara que do outro lado havia outro buraco e que imediatamente outra rola, desta vez negra, sai e aí ela tem trabalho duplo.

Pior que descobri que na minha inocência, que existe o glory hole gay. Pois é, a mesma história, só que com homens. Enfim, sem ilustrar, se por acaso um dia tu, macho pra carilha, for dar um cagão em alguma cabine e reparar com um buraco na parede, esteja pronto para dar uma bicuda no buraco caso saia uma rola de lá!

Em alguns caso pode sair uma maria-mole de limão da parede, como na foto abaixo. Olha só como a moça gosta de doce! (hehe, deu trabalho aprender a pintar no Paintbrush do Windows 7!).

Mulheres brigam por causa de panqueca!!!

Duas mulheres se envolveram na confusão porque uma não quis, simplesmente, passar o molho para outra, que estava na mesa ao lado.

Que fase! Bóra ver o vídeo... briga de mulher é sempre bom, ainda mais quando uma fica com a calcinha fio dental aparecendo!

Duas imagens valem mais do que 1000 palavras


segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

A japonesada tá maluca!


Já que depois das últimas japinhas aqui embaixo o Carilha tá oriental na cabeça da minha rima, vou comentar sobre uma notícia que li na internet. A chamada era a seguinte lá na UOL, "'Herbívoros', uma nova categoria social no Japão do século XXI". Pensei que seria mais uma reportagem sobre vegetarianismo ou coisa assim, e fui ler pois sou curioso pra caramba.

Que desilusão com a japonesada. Eles tão ficando malucos. Vou até copiar alguns trechos da reportagem pois dá raiva de escrever a parada.

Segundo uma pesquisa do Ministério de Saúde japonês divulgada este ano, 21,5% dos varões entre 20 e 25 anos expressa indiferença ou aversão ao sexo, embora o número seja maior entre os adolescentes de 16 a 18 anos, grupo em que 36,1% não estão interessados em relações sexuais.

...

Os considerados "herbívoros" geralmente se interessam por moda, são menos competitivos em seus ambientes de trabalho, são mais apegados a suas mães e têm sempre problemas nos respectivos orçamentos.


Depois disso, rola um monte de enrolação, mas aí vem a melhor frase da notícia.

"É como estar em uma dieta: de tanto deixar de comer, o apetite se reduz", avalia Rivera, professor da Universidade de Meiji, em Tóquio.


Puta merda, ? A japonesada enlouqueceu. Deixou de gostar de transar, passaram a gostar de moda, querem ficar na aba da mãe e trabalham mal. O nome desse povo não devia ser "herbívoro". Devia ser "filhos de uma grande puta", isso sim.

Vocês viram as japinhas do último post aqui do blog. Quem não gosta disso é "filho da puta" e só.

Esse aí num é herbívoro.

Duas imagens valem mais do que 1000 palavras


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Calcinha bege NÃO é brochante

Sempre ouvi essa máxima: "calcinha bege é brochante!" e sempre fiquei pensando nisso, poxa, é meio que generalizado, sei lá se o pessoal tá acostumado a ver as calcinhas da mãe ou da avó penduradas no varal e acaba criando esse trauma contra as calcinhas beges, também conhecidas como "cor da pele". Ou calcinhas do relaxo. Ou calcinhas do dia da faxina.

Enfim...

Até acho que a mulherada curte usa-las por que em sua maioria devem ser deveras confortáveis e porra, quando eu uso minhas cuecas, gosto daquelas confortáveis, que não apertam o saco, que não ficam esfregando na virilha gerando uma picanha mal passada e não apertam o capacete do soldado... e acho que é nessas que a mulherada investe quando manda ver na calcinha bege.

Claro que quando a mina vai pra balada com aquela segunda intenção pensa em colocar uma calcinha mais trabalhada, mas no geral, se a cidadã é pega de calças curtas, ou melhor, desprevenida, pode ser que ela esteja usando uma das beges.

E porque não é brochante? Porque não é! Que ver?


Huh... e ae? Reparem que ela tá usando uma bege e bem das grandes, tipo pipa do caçador de pipas. E é brochante? Claro que não. Agora coloque essa calcinha bege na Dilma. Brochante? ÓBVIO! Quer a prova contrária? Coloque um fio dental na Dilma. Porra, um fio dental, a calcinha do abate! Brochante? ÓBVIO!

Sras. e srs., não é a calcinha bege que faz a moça ficar sexy ou não e sim o recheio de dentro. Tu nunca vai brochar com uma gostosa usando uma calçola bege. Acredite, se ela for realmente gostosa e estiver usando uma zorba com freada de bicicleta, tu nem ligará!

Duas imagens valem mais do que 1000 palavras


segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Dança mal? Tá no papo...

Meu irmão tem uma teoria muito válida. Afinal, o sujeito estuda na USP, uma universidade respeitada e coisa e tal. Há de ser uma teoria inteligente e correta. Ela é uma teoria bem simples. Ela consiste na seguinte afirmação: "mulher que dança mal é fácil de levar pra cama".

facinha...facinha...

Será? Donde meu irmão tirou que a mulher que dança mal é mais fácil que rifa de um número só? A defesa da teoria tem muito sentido. Pois pare pra pensar, uma pessoa que dança mal só pode fazer isso por dois motivos: ou a individua é doida de pedra ou tem uma auto-estima mais baixa do que o buraco onde os mineiros chilenos foram se meter. Excluindo a porcentagem de loucas varridas que você pode encontrar na balada (e não são poucas), você tem um bando de senhoritas que não confiam no próprio taco dançando a valer dando sopa no mundo.

E essas coitadinhas estão sempre acompanhadas de amigas estonteantes que dançam bem pra burro. Logo, a auto-baixa-estima vai descendo na boquinha da garrafa cada vez mais. E cabe a você, ó caro amigo, chegar e levantar a moral da dita cuja. Assim você será um cara bacana. E a diferença entre cara bacana e "me leva pra cama" é bem pequena. Quase rima, inclusive.

Mas há um porém, como em toda teoria. Pois meu irmão, ao mesmo tempo que afirma que mulher que dança mal tá mais fácil que fazer embaixadinha com bexiga, ele afirma sem dó que provavelmente ela transe tão bem quanto ela dance. Pois se ela não tem o gingado necessário pra pista de dança, imagina pra uma cama redonda de motel. É amigo, nem tudo é perfeito.

Mas se você não tá aí pra desempenho, a dica está dada. Cole naquela mina que está dançando que nem o Mr. Bean. Quem sabe você se dê bem.


Vai que é sua!!!

Desafio: IMPOSSÍVEL!

Dizem que a mulher dessa foto tem as unhas dos pés pintadas! Não consigo ver.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Essa juventude de hoje em dia...

Eu estava dando um rolê pelo Youtube quando vi um vídeo de uma treta entre os emos e os punks lá pros lados do México. Meia dúzia de punks mexicanos causaram um tumulto quando resolveram enfrentar os emos que faziam uma passeatinha em nome dos "costumes" emo e tudo mais.

O argumento dos punks para explicar a agressão aos viadinhos emos é que os jovens de franjinha estão roubando o estilo dos punks sujos.


Ah vá...

O Senador escreveu aqui sobre a dita morte do rock. Eu discordo em partes, acho que o que morreu foi a atitude rock'n roll. Não há mais motivo pra ser punk e chutar lata de lixo, por causa da burguesia. Não há mais motivo pra ser grunge e junkie usando roupas de flanela, revoltado com a sociedade pós guerra do Vietnã. Não há motivo algum pra você se vestir com estilo vitoriano, com direito a cartola, colete, fraque e os caralho a quatro no calor subtropical do Brasil. Mas isso eu apenas acho. Uma coisa que eu tenho certeza é o quão é ridículo esse lance de rotular um estilo.

Acho uma merda sem tamanho esse lance de "eu sou punk/eu sou do metal/eu sou grunge". Eu acho que quem fala isso (e não é adolescente) é um verdadeiro de um babaca. Eu ouço um bom e velho rock'n roll clássico, adoro um blues, canto alto um punk rock dirigindo, danço a valer um ska, vou pro litoral norte ouvindo um reggae roots. E nem por isso uso couro no verão de 40°C, coturno na praia, dreadlocks no cabelo e suspensório xadrez com chapéu coco.

Acredito que essa merda de se auto proclamar algo é válida apenas para adolescentes, pois eles precisam de afirmação e buscam isso se agrupando. E a melhor forma de fazer isso é visualmente e pelo gosto musical. Seja usando um moicano feito com sabonete ou fazendo uma chapinha na franja ridícula. Mas isso passa, pois numa hora ou outra o adolescente vê o quanto isso é ridículo.

O que não dá é nêgo sair se batendo por que o outro usa o cabelo de um jeito diferente do seu. O cara não querer fazer o que ele faz com ele em você, tá bom demais. Pois o que eu me lembre, a premissa principal do rock é cagar e andar pro estilo dos outros e seguir o seu próprio caminho.

Eu sou eu. O máximo que eu me rotulo é que eu sou macho pra carilha e gordo. E bonito pra carilha também, mas isso é opinião própria. O resto que se foda.

Duas imagens valem mais do que 1000 palavras


sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Juju Salimeni vai desfilar nua pela Mancha Verde

“Na verdade eu só venho com o corpo pintado, peladona mesmo. É minha estreia na avenida, nunca desfilei na minha vida, estou ansiosa.”

Apesar da ansiedade, Juliana também está preocupada com outro fator, o meteorológico. Como só vai desfilar com uma pintura corporal, ela teme que chova no dia e acabe ficando totalmente nua na avenida.

“Estou ansiosa também porque quero que dê tudo certo, que tudo corra bem, já peguei algumas dicas com as pessoas do que pode dar errado, mas como vou sair pintada e se começar a chover? Mas vai dar tudo certo.”


Já falamos que no Carnaval pode tudo, conforme esse post. Em todo caso, se a Juju quer desfilar sem roupa, quem vai se opor? Só com pintura no corpo? Já vi nego estudando a dança da chuva para o dia do desfile da Escola de Samba da Mancha Verde.

Duas imagens valem mais do que 1000 palavras


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Tudo a ver

Vendo as fotos, na UOL da luta de MMA entre os brazucas Vitor Belfort e Anderson Silva (que foi muito bem comentada pelo nosso amigo Júlio aqui ó), eu vejo uma foto com uma das presenças ilustres do evento. Essa foto aqui.


Agora me expliquem uma coisa, o que tem a ver a Sandy numa luta de MMA? Praticante do esporte ela num é, nota-se por sua enorme força...NOT! Garota que segura placa do ringue também não pode ser, falta massa.

Só digo uma coisa, o que o povo não faz pra aparecer na mídia.

Duas imagens valem mais do que 1000 palavras


As recheadinhas são mais loucas

Acho que todo homem um dia na mesa do bar já ouviu ou já afirmou isso: as gordinhas são as mais loucas. Não sei se é regra ou não, mas parece que isso rola com a maioria e se analisarmos bem tem um baita teor de preconceito essa afirmação. A idéia da teoria é simples: tu chega numa mina gostosa, leva ela pra pro abate e ela pode ser mediana pelo simples fato de ser gostosa. Ué, tu já tá passando a vara numa gostosa, vai querer exigir um desempenho fora de série? A afirmação vem nessa linha dizendo que já que as gordinhas não são lá tão assediadas, elas se esforçam pra cacete para terem uma atuação digna de Silvia Saint e garantirem a passagem de frango mais vezes.

Fiquei vendo o BBB 11 esses dias e reparei especialmente na Paulinha, uma moça de Roraima, se eu não me engano, gordinha, diferente dos tipos que a Globo coloca no programa do Bial pega no meu pau. E porra, a moça é deveras abusada, dá em cima de todos os caras - e das minas! - na brincadeira de beijar algum brother com os olhos vendados com doce de leite, todas as moças apelam mais pro lado sensual, a cidadã vai lá e monta no cara e tasca-lhe um beijo daquelas de comer a face do cara. Tu ve as moças negras com aquele porta malas típicos delas, de respeito, com biquini bacana e aparece a Paulinha com um fio dental tamanho P-P-P pra caralho! Imagine uma trianglinho (haha, diminutivo de triângulo) minúsculo, cravado numa bunda quadrada e branca. Pois é, tá aí e o menor biquini do BBB vai pra Paulinha.

Pode ser coincidência ou não, já vi muitos amigos meus afirmarem que é realmente verdade tal faCto. Se é ou não, não sei, duvido que seja regra, mas pode ser que a maioria vá nessa mão. O negócio é perguntar para a Geisy Arruda.