terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O fim do Rock

Lemmy (Motorhead) = Deus

Desde que sou criança ouço a frase "O Rock está morto" ou "O Rock n' Roll está morrendo". Metaleirinho desde pivete eu soltava uns "Aaah até parece!", mas hoje, mais velho, mais maduro, entendo essa afirmativa de que o rock está morrendo. É triste, mas me parece real. Não sei qual a causa, motivo, razão ou circunstância, mas esse estilo musical parou no tempo. O momento no Brasil é até propício para o crescimento desse estilo, não temos moda de funk, axé, pagode... talvez um cacoete de sertanejo universitário nos persiga, mas nada de tão cruel. Não vou nem mencionar essas pseudo-bandas de "rock" como Cine, Restart, Fresno... essas merdas são passageiras, quem viu Virgulóides sabe do que estou falando. Esses rockinhos ingleses me causam nojo... neguinho de terninho, camiseta xadrex fechada até o pescoço ou óculos de nerd com aro grosso e sem atitude. Cadê o Rock que me fez querer ser roqueiro um dia!? Cadê aqueles caras estilosos que me faziam querer me espelhar neles? Comedores, festeiros, machões, malucos, motociclistas, encrenqueiros... hoje o cenário do rock novo é povoado por um bando de nerds sem graça. Basta colocar no Multshow HD e ver aqueles festivais europeus com bandas pra lá de chatas e afrescalhadas.

O Rock vive do passado, basta ver os concertos sold-out no Brasil com Paul McCartney, Bon Jovi (que em um dia já deve ter comido mais mulheres do que todos nós na nossas vidas!), U2, Iron Maiden, etc. Só as velharias salvam. Outro dia me peguei conversando com o meu irmão que é mais novo do que eu, chegando aos 26 anos, e ele me dizia: "só as bandas antigonas que se salvam", quando ouviamos qualquer coisa do Judas Priest, que tocava no meu computador. Fiz um esforço grande para pensar no que de legal surgiu no Rock nos últimos anos...

Desculpe os fãs de Killers, Kaiser Chiefs, Muse... o som pode ser até divertidinho, mas não tem a pegada de rock, não tem a atitude de rock. Porra, cadê o Lemmy dessa geração atual? Fico pensando de quem ou de que é a culpa dessa decadência e acho que a culpa pode ser da grande quantidade de informações. Claro que novas e boas bandas surgem em várias garagens no mundo inteiro o tempo todo, mas a avalanche de informações sufocam essas bandas boas em potencial. Hoje em dia temos acesso a qualquer coisa, desde a coroa gordinha que fez um clipe da Kombi Branca e seu amante até boas bandas que colocam seu material à disposição. Mas como eu disse, é muita coisa e acaba perdendo a identidade, todo mundo tem prazo de validade curto. Lançou uma demo legal, na semana seguinte já não é mais ouvido porque as pessoas já têm acesso a outras bandas lançando novos materiais e ninguém fica pra valer. Ninguém ou nada novo pegará a bandeira e será ícone daqui a 20 anos. Gosto de andar com camiseta do AC/DC ou Van Halen, bandas ativas ainda e vemos pessoas com camisas do Led Zepelin ou Beatles, por exemplo... e eu me pergunto: quem usará a camisa do Killers daqui a 20 ou 30 anos? Do Queen, Maiden, Purple, Sabbath, Metallica, Motorhead, Stones, etc. veremos daqui a 30, 40, 50 anos.

O rock na minha visão caminha para ser aquele estilo musical como o das músicas "clássicas". As boas composições ficaram num passado distante, soando muito bem. De vez enquando um ou outro bobo tenta fazer cover ou repaginar mas ninguém consegue fazer melhor do que já foi feito.

Kaiser Chiefs e a falta de atitude Rock

11 comentários:

Regiane disse...

FODA!!!! Concordo TOTALMENTE!!! Hoje em dia, só banda chata!!! Cadê aquela vibração do Rock n'Roll??? Cadê as guitarras? As atitudes? Nada, já era!

fabi disse...

concordo plenamente

Trapa¹³ disse...

e o RATM e SOD não contam?...eles voltaram pra preencher essa lacuna talvez...sou das antigas, curto os sons da minha época mas essas duas bandas e Matanza aqui no Brasil foram muito felizes no que fizeram até agora...

Soutodoloko disse...

Eu te disse e volto a repetir. O rock era uma lagarta que metamorfizou em várias borboletas. Acho que hoje temos bandas boas sim, é que temos que procurar mais. Eu, por exemplo, acho Wolfmother uma banda atitude rock atual. E veja comigo. O rock veio do blues e nem por isso o blues morreu. Ele perdeu seu lugar de destaque e se reinventou underground. E hoje ainda tem nego novo e bom no blues (Kenny Wayne Shepperd e Ray La Montagne, por exemplo)...o rock'n roll vai se reinventar também.

Soutodoloko disse...

Eu te disse e volto a repetir. O rock era uma lagarta que metamorfizou em várias borboletas. Acho que hoje temos bandas boas sim, é que temos que procurar mais. Eu, por exemplo, acho Wolfmother uma banda atitude rock atual. E veja comigo. O rock veio do blues e nem por isso o blues morreu. Ele perdeu seu lugar de destaque e se reinventou underground. E hoje ainda tem nego novo e bom no blues (Kenny Wayne Shepperd e Ray La Montagne, por exemplo)...o rock'n roll vai se reinventar também.

Lesma disse...

Não gosto de nenhum tipo de metal, a excessão é Pantera, mas concordo com o que foi escrito no texto. Meu esquema é Street punk, oi!, ska, skinhead reggae, punk rock.... mas vejo que em nenhuma vertente do rock, surge algo que preste, algo que vá virar referência e que não seja bichice da braba. MAs fica a dica, pra que curte som honesto e bem macho em sua essência: ouçam Tamborellos e Flicts.

Anônimo disse...

hominização

Anônimo disse...

Concordo, cada vez mais o rock se perde nestas babaquices, as últimas bandas boas que ouço mais ou menos novas são dos anos 90 e mesmo assim fazem som retro como black crows e as bandas stoner rocks, e outras são inovadoras mas com atitude como RATM, de resto só coisa antiga mesmo os metal, e os punka bad religion dead kennedys etc, fora os rockão 70 lynardy skynard, skid row, led, cream, essas porcaria nova é coisa dessa geração idiota que gosta de guitarra de plástico, os guitar hero da vida.

Sr. Senador disse...

falaram no RATM, mas vale lembrar que o primeiro disco deles é de 1992... tome quase 20 anos nas costas é da mesma época que boas (e talvez as últimas bandas de atitude) surgiram como Pearl Jam, Nirvana, etc.

Marcus Valerio XR disse...

Bobagem...
A mesma de sempre por sinal.

Nada há de errado com o rock atual, mas sim com os outrora jovens que hoje querem viver do passado, cronocentricamente apegados ao seu tempo de juventude, que assim como em qualquer outro na história, era melhor.

"Complexo de Paraíso Perdido", isto é, a sensação quase inevitável de que nossa aurora existencial, ou púbere, foi uma era dourada, ou ao menos mais brilhante que a atual ou a que vem pela frente.
Quanto menos se tem futuro, mais se apega ao passado.

Que o aumento do tráfego e disponibilidade de informações tende sim a reduzir as possibilidades de novos grandes astros centralizadores, é fato. Mas artistas fabulosos não faltam, como Sonata Artica, Nightwish, Muse, Dragonforce ou Avenged Sevenfold. Só não temos que ficar comparando-os com clássicos como Black Sabbath, Iron Maiden ou Deep Purple, porque são de gerações diferentes.

Por sinal, se as antigas gerações tivessem agido como esses saudosos conservadores gostariam que as novas agissem, o rock jamais teria surgido.

E o rock jamais morerrá porque é exatamente isso: ruptura, inovação, provacação, e sobretudo, a perpétua vocação da juventude em contrariar os mais velhos.

Marcus Valerio XR
www.xr.pro.br

Anônimo disse...

Esse sim é MACHO
http://diversao.terra.com.br/gente/fotos/0,,OI149714-EI13419,00-Elza+Soares+recebe+carinho+do+marido+e+amigos+em+preestreia.html